Login

Newsletter
captcha 
Ecoendoscopia no tratamento e alívio de sintomas do cancro do pâncreas
sábado, 21 novembro 2020 09:49

Ecoendoscopia no tratamento e alívio de sintomas do cancro do pâncreas

“Interventional Endoscopy in the Management of Pancreatic Cancer” é o tema da sessão moderada pelo Dr. Ricardo Rio-Tinto, da Fundação Champalimaud e pelo Dr. Pedro Moutinho Ribeiro, do Centro Hospitalar Universitário de São João, em mais uma edição da Semana Digestiva. Em declarações à News Farma, o Dr. Pedro Moutinho Ribeiro adiantou as vantagens terapêuticas da ecoendoscopia no cancro do pâncreas, assim como os mecanismos que o tornam uma neoplasia de difícil tratamento. Veja o depoimento em vídeo.

Ainda que seja uma área em fase de experimentação, a ecoendoscopia tem obtido terreno na ajuda de doentes com diagnósticos avançados de cancro do pâncreas e sem condições ideais para cirurgia, não só em tratamentos que têm como objetivo principal aliviar sintomas provocados pelo cancro, mas também no desenvolvimento de terapêuticas de ação local no próprio tumor, com o intuito de ajudar na redução da massa tumoral.

“É uma neoplasia de tratamento muito difícil, onde a quimioterapia atua, de forma geral, mal, a radioterapia também, e os doentes candidatos a cirurgia são uma franja muito pequena da população”, salienta o especialista.

Nesse sentido, o Dr. Pedro Moutinho Ribeiro considera que “o principal desafio é, sobretudo, obter centros que tenham o nível de expertise suficientemente elevado para tratar este tipo de situações”.

“Estamos a falar, de uma forma geral, de procedimentos que envolvem gestos técnicos de elevada complexidade, quer através da CPRE, quer através da ecoendoscopia, e, portanto, temos que ter uma equipa não só de gastrenterologistas, mas também enfermeiros, técnicos de Radioscopia, que estejam bem treinados e diferenciados. Habitualmente, são situações que exigem uma dedicação específica de algumas pessoas do Serviço em questão nesse tipo de tratamento”, esclarece.

O outro desafio passa por “continuarmos na investigação, porque, de facto, o cenário que temos hoje em dia para tratar os doentes com cancro do pâncreas não é dos melhores”, ainda que vários grupos em Portugal se dediquem ao seu aspeto científico.

“Quer sejam novas técnicas, novos marcadores que possam permitir um diagnóstico mais precoce ou até, idealmente, fases precursoras deste cancro, é um desafio para esta década e para as próximas, até porque o cancro do pâncreas tem aumentado de incidência, e a taxa de mortalidade aumenta ao mesmo ritmo. Estamos a conseguir melhorar as taxas de cura, mas são taxas insatisfatórias”, conclui o especialista. 

Vídeo

Veja Também

  • DRENAGEM BILIAR GUIADA POR ECOENDOSCOPIA EM ESTÔMAGO OPERADO: HEPATOJEJUNOSTOMIA
    2019-12-10 17:54:15
    DRENAGEM BILIAR GUIADA POR ECOENDOSCOPIA EM ESTÔMAGO OPERADO: HEPATOJEJUNOSTOMIA

    Mulher 76 anos, com antecedentes de linfoma gástrico há 30 anos submetida a gastrectomia parcial e hepatite a vírus B sob Tenofovir 245mg/dia (carga viral persistentemente baixa mas detetável e AgHBe+/anti-HBe-).

  • HEMATOMA INTRAMURAL TARDIO DO DUODENO APÓS PROCEDIMENTO DIAGNÓSTICO SIMPLES POR ECOENDOSCOPIA E BIÓPSIA ASPIRATIVA COM AGULHA FINA
    2019-12-06 17:24:02
    HEMATOMA INTRAMURAL TARDIO DO DUODENO APÓS PROCEDIMENTO DIAGNÓSTICO SIMPLES POR ECOENDOSCOPIA E BIÓPSIA ASPIRATIVA COM AGULHA FINA

    A ecoendoscopia e a punção-biópsia aspirativa com agulha fina (EUS-FNA) permitem complementar a investigação de lesões pancreáticas de forma segura e minimamente invasiva. Os hematomas intramurais do duodeno são raros e geralmente associados a trauma abdominal. Os autores relatam o primeiro caso e iconografia de um hematoma duodenal intramural após ecoendoscopia diagnóstica. Homem de 65 anos em seguimento na consulta de Gastroenterologia por lesão sólida da cabeça do pâncreas de difícil caracterização no contexto de uma pancreatite crónica idiopática. Sem outros antecedentes ou medicação habitual relevante.

  • COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO: DOSEAMENTO DE GLICOSE NO DIAGNÓSTICO DE QUISTOS DO PÂNCREAS AVALIADOS POR ECOENDOSCOPIA COM PUNÇÃO
    2019-12-04 11:44:23
    COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO: DOSEAMENTO DE GLICOSE NO DIAGNÓSTICO DE QUISTOS DO PÂNCREAS AVALIADOS POR ECOENDOSCOPIA COM PUNÇÃO

    Os quistos pancreáticos (QP) são achados imagiológicos frequentes que podem ser malignos, pré-malignos (ou mucinosos) ou benignos, com indicação cirúrgica, para vigilância ou alta, respetivamente. A Ecoendoscopia com punção (EUS-FNA) de líquido quístico (LQ), para citologia e análise do biomarcador CEA, é standard no diagnóstico.  Objetivos: Determinar se o doseamento de glicose (glicosímetro) em LQ obtido por EUS-FNA é fidedigno, como o CEA, no diagnóstico de QP; e se é facilmente exequível na sala de EUS-FNA.  Metododologia: Após comprovação da acuidade de glicose (LQ congelado,-80o), comparando com CEA (rotina clínica), implementou-se um protocolo. Enumeram-se as competências do enfermeiro para EUSFNA e doseamento da glicose (mg/dL) na sala  com glicosímetro.